ESPAÇO DE ENCONTRO E REFLEXÃO ENTRE CRISTÃOS HOMOSSEXUAIS em blog desde 03-06-2007
comentar
publicado por Riacho, em 21.08.12 às 21:46link do post | favorito

As ideias lúcidas sobre a moralidade sexual estão aqui expostas com uma clareza notável baseadas na teologia e nos conhecimentos científicos actuais. Só falta o papa introduzi-las nas leis da Igreja.

 

"Extraindo percepções da tradição católica, da Escritura, das disciplinas seculares do conhecimento moral e da experiência humana, há seis dimensões fundamentais da antropologia católica renovada no livro A pessoa sexual", explicam os teólogos Todd Salzman e Michael Lawler, professores do departamento de Teologia de Universidade Creighton, nos Estados Unidos. Eles são os autores do livro A pessoa sexual (original inglês: The sexual person), publicado pela Editora Unisinos, 2012.

Em entrevista concedida à revista IHU On-Line, os teólogos descrevem as seis dimensões fundamentais da antropologia expostas no livro.

"A primeira e mais fundamental dimensão é a mudança de ênfase na própria tradição católica que passou da pessoa sexual considerada primordialmente como pessoa procriadora para a pessoa sexual considerada primordialmente como pessoa relacional. 

segunda dimensão, que extrai percepções das ciências biológicas e sociais, é uma mudança na percepção da orientação heterossexual como normativa e a orientação homossexual ou bissexual como “objetivamente desordenada” – como ensina o magistério –, que passou para a concepção da orientação sexual – heterossexual, homossexual ou bissexual – como dimensão intrínseca da pessoa sexual e, portanto, “objetivamente ordenada” para a pessoa heterossexual, homossexual ou bissexual, respectivamente. 

terceira dimensão é uma compreensão holística e integrada da pessoa sexual considerada em termos relacionais, físicos, emocionais, psicológicos e espirituais. 

quarta dimensão postula um desejo fundamental das pessoas de estarem em relacionamento, incluindo o relacionamento sexual, com outra pessoa. Esse desejo se realiza num complexo de relacionamentos que o magistério designa como complementaridade. Complementaridade quer dizer que certas realidades formam uma unidade e produzem um todo que nenhuma delas produz sozinha.

Na descrição do magistério, a complementaridade sexual aponta para o matrimônio heterossexual como o relacionamento sexual estável exclusivo entre um homem e uma mulher. 

quinta dimensão expande a descrição da complementaridade sexual por parte do magistério indo além do casamento heterossexual entre homem e mulher e postulando um desejo fundamental de complementaridade holística na pessoa sexual ao integrar a orientação sexual como uma dimensão intrínseca da antropologia sexual. A complementaridade holística inclui a orientação sexual, a complementaridade pessoal e biológica e a integração e manifestação de todas as três na pessoa sexual. 

sexta dimensão postula que “atos sexuais verdadeiramente humanos” realizam as pessoas sexuais. Um ato sexual verdadeiramente humano é um ato em concordância com a orientação sexual de uma pessoa que facilita uma valorização, integração e partilha mais profunda do si-mesmo (self) corporificado da pessoa com outro si-mesmo corporificado tanto em amor como em justiça (amor justo)".

Segundo os teólogos, "a conclusão normativa que se segue dessas seis dimensões antropológicas da pessoa sexual é a seguinte: alguns atos homossexuais e heterossexuais, aqueles que cumprem as exigências de complementaridade holística e amor justo, são verdadeiramente humanos e morais; e alguns atos homossexuais e heterossexuais, aqueles que não cumprem as exigências de complementaridade holística e amor justo, não são verdadeiramente humanos e são imorais".

A íntegra da entrevista pode ser lida na revista IHU On-Line desta semana.

A revista IHU On-Line estará disponível, nesta página, nas versões htmlpdf e 'versão para folhear', nesta segunda-feira, a partir das 17h.

 

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/512628-teologos-propoem-uma-nova-moralidade-sexual


comentar
publicado por Riacho, em 08.06.12 às 22:35link do post | favorito

papa e o Vaticano estão cada vez mais defendendo a ideia de uma Igreja remanescente – uma Igreja pequena e pura que se vê muitas vezes em oposição ao mundo ao seu redor. Parece como se as autoridades da Igreja não estão nada preocupadas com aqueles que deixam a Igreja. Qualquer outra organização tomaria medidas fortes para remediar a perda de um terço de seus membros.

A opinião é do teólogo norte-americano Charles E. Curran, professor da cátedra Elizabeth Scurlock de Ética Cristã daSouthern Methodist University. O artigo foi publicado no sítio do jornal National Catholic Reporter, 06-06-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A condenação por parte da Congregação para a Doutrina da Fé ao premiado livro da Ir. Margaret Farley, das Irmãs da MisericórdiaJust Love: A Framework for Christian Sexual Ethics, não é nenhuma surpresa. A Congregação insiste que o livro "não pode ser usado como uma expressão válida da doutrina católica" porque discorda do magistério hierárquico sobre masturbação, atos homossexuais, uniões homossexuais, indissolubilidade do casamento, divórcio e segundo casamento.

Há uma longa lista de teólogos morais católicos cujas obras sobre ética sexual, em um veio semelhante, foram condenados ou censurados pela Congregação para a Doutrina da Fé ao longo dos últimos 40 anos. O Papa João Paulo II escreveu a sua encíclica Veritatis splendor, em 1993, por causa da discrepância entre o ensino oficial da Igreja sobre questões morais e o ensino de alguns teólogos morais, até mesmo nos seminários. Segundo o papa, a Igreja está "enfrentando o que certamente é uma crise genuína, que não se trata já de contestações parciais e ocasionais, mas de uma discussão global e sistemática do patrimônio moral".

Todos têm que reconhecer que há uma crise real como essa na Igreja hoje. Mas a crise não é apenas uma crise na teologia moral: ela envolve uma crise na Igreja como um todo e na nossa própria compreensão da Igreja Católica. De acordo com o respeitado Pew Forum on Religion & Public Life, uma em cada três pessoas que foram educadas como católicas romanas nos Estados Unidos já não é mais católica. A segunda maior "denominação" nos EUA é de ex-católicos. Uma em cada 10 pessoas nos EUA é ex-católica. Todos nós temos experiência pessoal daqueles que deixaram a Igreja por causa do ensino sobre questões sexuais. Questões relacionadas, incluindo o papel das mulheres na Igreja, o celibato para o clero e o fracasso das lideranças eclesiais em lidar com o escândalo dos abusos infantis e o seu encobrimento, também foram reconhecidas como razões pelas quais muitas pessoas abandonaram a Igreja Católica.

A reação de papas e bispos até teólogos morais revisionistas é apenas uma parte de uma realidade crescente em nossa Igreja hoje. Há uma ladainha de outras ações similares tomadas pelo Vaticano – as restrições impostas àLeadership Conference of Women Religious (LCWR); o controle sobre as atividades da Caritas Internationalis, a agência da Igreja dedicada à ajuda aos pobres; a reação muito negativa das associações de padres na Áustria e naIrlanda; a remoção de Dom William Morris, bispo de Toowoomba, na Austrália, por ter meramente incentivado a discussão sobre o celibato e o papel das mulheres; a nomeação apenas de clérigos muito seguros como bispos etc. E a lista continua.

O que está acontecendo aqui é que o papa e o Vaticano estão cada vez mais defendendo a ideia de uma Igreja remanescente – uma Igreja pequena e pura que se vê muitas vezes em oposição ao mundo ao seu redor. Parece como se as autoridades da Igreja não estão nada preocupadas com aqueles que deixam a Igreja. Qualquer outra organização tomaria medidas fortes para remediar a perda de um terço de seus membros. Mas a Igreja remanescente se vê como uma Igreja forte de fiéis verdadeiros e, portanto, não está preocupada com essas partidas.

Esse conceito de Igreja opõe-se à melhor compreensão da Igreja Católica. A palavra "católico", em sua própria definição, significa grande e universal. A Igreja abraça tanto santos e pecadores, ricos e pobres, homens e mulheres, e conservadores e liberais políticos. Sim, há limites para o que significa ser católico, mas a compreensão de "católico" com "c" minúsculo insiste na necessidade de ser o mais inclusivo possível. Muitos de nós ficaram profundamente impressionados com os gestos do Papa Bento XVI no início do seu papado, ao ir ao encontro emdiálogo com Hans Küng e de Dom Bernard Fellay, chefe do grupo originalmente fundado pelo arcebispo Marcel Lefebvre. Infelizmente, hoje, o diálogo ainda está em andamento com Dom Fellay, mas não com Hans Küng.

O problema básico de tudo isso é a compreensão e o papel da autoridade na Igreja Católica. Essa questão é muito vasta e complicada para ser discutida aqui com detalhes, mas três pontos deveriam orientar qualquer consideração sobre a autoridade na Igreja.

Primeiro, a principal autoridade na Igreja é o Espírito Santo, que fala de diversas maneiras; e todos os outros na Igreja, incluindo os detentores de cargos, devem se esforçar para ouvir e discernir o chamado do Espírito.

Segundo, a Igreja precisa dar corpo à compreensão de Tomás de Aquino de que algo é mandado e ordenado porque é bom, e não o contrário. A autoridade não faz algo certo ou errado. A autoridade deve se conformar ao que é verdadeiro e bom.

Terceiro, o perigo para a autoridade na Igreja é alegar uma certeza muito grande para o seu ensino e propostas.Margaret Farley desenvolveu esse ponto em um ensaio muito significativo, Ethics, Ecclesiology, and the Grace of Self-Doubt [Ética, Eclesiologia, e a Graça da Dúvida de Si]. A pressão por certeza fecha muito facilmente a mente e às vezes também o coração. A graça da dúvida de si permite a humildade epistêmica, condição básica para o discernimento moral comunitário e individual.


comentar
publicado por Riacho, em 03.04.12 às 21:50link do post | favorito

Este discurso anuncia uma páscoa sobre moral sexual na Igreja Católica!

 

Geoffrey Robinson, bispo emérito de Sydney, fez essa declaração em Baltimore, nos Estados Unidos, durante um simpósio de homossexuais católicos.


A reportagem é de Maria Teresa Pontara Pederiva, publicada no sítio Vatican Insider, 30-03-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Que a Igreja é muitas vezes vista como uma agência que pretende ensinar as pessoas o que se deve ou não fazer, quase como um oásis de controle dentro de uma cultura secular de "liberdade", já se sabia há muito tempo. Uma imagem enganosa que encerra em si uma série de preconceitos a serem desfeitos, mas em que ninguém talvez possa se declarar isento de responsabilidade. Que o caminho que conduz à santidade não consiste em uma superação de um exame de boa conduta, mas sim um entrar cada vez mais em relação com Deus e a sua liberdade não é hoje uma concepção muito difundida, nem entre os católicos, que, de fato – pelo menos segundo os inúmeros estudos e pesquisas sobre o assunto – acabam, em matéria de moral, no entanto, decidindo de acordo com as suas ideias.

Na área da moral sexual, a diferença é ainda mais evidente: nos EUA, por exemplo, enquanto os bispos e alguns católicos invocam a liberdade religiosa para combater a reforma da saúde – que também amplia a cobertura para os anticoncepcionais – não há pesquisa que não indique o seu uso por mais de mais de 98% das mulheres, sem nenhuma distinção de confissão religiosa.

O recurso à liberdade de consciência e à responsabilidade pessoal é uma das aquisições conciliares mais utilizadas em matéria de pastoral familiar, e que diversos teólogos morais preferem se pronunciar com extrema cautela, dada a complexidade das questões de hoje, em que é cada vez mais difícil, senão impossível, traçar uma linha nítida de demarcação, também é conhecido, como muitas pequenas observações ditas em voz baixa por muitos, postas por escrito por poucos.

Mas que um bispo indique, sem muitos rodeios, como a doutrina moral da Igreja tem necessidade de uma bela revisão talvez poucos imaginariam, antes do dia 15 de março passado, quando, em BaltimoreDom Robinson, bispo emérito de Sydney, declarou que é necessário "um novo estudo de tudo o que tem a ver com a esfera da sexualidade para melhorar o ensino da Igreja em matéria de relações tanto hetero quanto homossexuais". Na verdade, "todo o ensino que disciplina todas as relações de tipo sexual deveria ser atualizado, porque o sexo é uma modalidade importante para expressar o amor entre duas pessoas". E, se a sociedade o banaliza, não é óbvio que a Igreja deve continuar aceitando acriticamente as antigas concepções da moral sexual que nos vêm da tradição.

Geoffrey Robinson fala com conhecimento de causa: australiano, nascido em 1937, títulos em filosofia, teologia e direito canônico em Roma, foi pároco e professor de direito canônico, juiz do tribunal eclesiástico para os matrimônios, além de ter trabalhado para escolas católicas e no diálogo ecumênico. Em 1984, foi nomeado bispo auxiliar de Sydney e, em 2002, o Papa João Paulo II o chamou para fazer parte da comissão vaticana para o abusos por parte do clero. Tendo se aposentado por causa do limite de idade, voa frequentemente para os EUA para conferências e retiros em universidades e paróquias.

Em março deste ano, Dom Robinson visitou os EUA mais uma vez. Nos dias 15 e 16 de março, ele foi um dos oradores do VII Simpósio Nacional sobre Catolicismo e Homossexualidade – que ocorreu em BaltimoreMaryland, com a presença de mais de 400 pessoas, incluindo gays, lésbicas e transgêneros católicos –, um tema ao qual ele também dedicou estudos e energia no passado.

No mesmo simpósio, discursou o governador do Estado, Martin O'Malley, que havia assinado alguns dias antes a legalização do casamento gay, ao qual os opositores ameaçam um recurso ao referendo (mas as pesquisas indicam que a maioria ainda está a favor, ou até em crescimento).

Precisamente ao responder a questão sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, Robinson declarou que a doutrina da Igreja sobre o matrimônio é clara e imutável, mas que a abordagem das questões de moral sexual e a própria interpretação de algumas passagens da Escritura sobre a homossexualidade precisam de uma "profunda revisão".

Ele teria chegado a essa convicção – confessou – analisando justamente as causas sobre os abusos do clero na qualidade de presidente da Sociedade Australiana de Direito Canônico. "Paradoxalmente, foi justamente o choque dos abusos que me convenceu sobre a importância fundamental do sexo na vida das pessoas, e não haverá nenhuma margem de mudança da doutrina da Igreja Católica sobre os atos homossexuais enquanto não houver uma mudança sobre os atos heterossexuais".

"Se o ponto de partida – como é hoje na moral oficial – é que todo ato sexual individual deve ser necessariamente tanto unitivo quanto procriativo, então nunca haverá qualquer possibilidade de aprovação do menor ato homossexual".

"Durante séculos, a Igreja ensinou que todo pecado sexual é pecado mortal. Hoje, isso já não é mais proclamado aos quatro ventos como antigamente. Porém, a doutrina nunca foi abolida e afetou muitas pessoas, favorecendo a crença em um Deus irascível que condena ao inferno por um único instante de prazer derivado de um desejo humano de ordem sexual". "Uma vida moral – declarou – não é só fazer as coisas certas, mas também compromisso para chegar a identificar qual é a coisa certa a fazer".

Robinson continuou a sua turnê de palestras em todos os EUA. No dia 30 de março, ele esteve na Santa Clara University, na Califórnia, para, depois, voar até San Francisco no sábado e assim retornar para Sydney. Não houve relatos de reações por parte de seus coirmãos norte-americanos, mas ele encontrou um notável apoio no editorial do jornal National Catholic Reporter publicado no dia 27 de março.

"Estamos em perfeita consonância com Dom Robinson para um reexame aprofundado e honesto do ensino da Igreja sobre a sexualidade". Se a posição é clara, assim também é a motivação: contribuir para fazer com que a Igreja não seja condenada à irrelevância no panorama cultural de hoje.

Acolher o convite de Robinson para abandonar a ideia do pecado sexual como um pecado contra Deus, para, ao contrário, considerar a moral sexual em termos de bem ou mal com relação às pessoas representaria um passo de grande liberdade. Ao invés de ir em busca do bem ou do mal em atos objetivos individuais – é um ato é unitivo e aberto à procriação? – o desafio é se esforçar para olhar para as intenções e as circunstâncias. "Os atos sexuais são agradáveis a Deus quando ajudam o crescimento das pessoas e melhoram as suas relações. Mas não são agradáveis quando causam ofensa às pessoas e pioram as suas relações".

O convite é o de não se concentrar na leitura literal da Bíblia para compreender o significado mais profundo nos termos da jornada espiritual do povo de Deus na história.

Robinson não é o primeiro a pedir uma revisão da moral católica, escreve o editorial, mas certamente a palavra de autoridade de um bispo irá se juntar ao coro, acrescentando uma nova dimensão. Só com uma moral sexual clara e compreensível hoje seremos capazes de desafiar a mensagem martelante da cultura dominante na mídia: uma sexualidade egoísta que idolatra a satisfação pessoal, o sexo separado do amor e que coloca em primeiro lugar o "eu" ao invés do "você".

Não nos esqueçamos, escreve o NCR, que uma sexualidade cristã genuína, centrada nas exigências dos outros, responderia mais plenamente às expectativas mais profundas do coração humano e seria capaz de promover de forma mais eficaz a relação entre as pessoas.

Trata-se, no fim das contas, de assumir, sempre, a própria responsabilidade pessoal no dia a dia, que é, além disso, o primado conciliar da consciência.

 

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/508133-e-preciso-rever-a-moral-sexual-palavra-de-bispo


comentar
publicado por Riacho, em 26.04.09 às 12:13link do post | favorito

 Olá

 

Aqui está um video fabuloso que desmonta os preconceitos contra a homossexualidade. Pena não ter encontrado uma versão legedada em português. Numa das passagens ele diz que um padre escreveu muito zangado num jornal de uma escola que a homossexualidade era má para a sociedade porque se toda a gente fosse homossexual não havia sociedade. Então em resposta ao artigo do padre alguém escreveu: caro padre, se toda a gente fosse padre da Igreja Católica tambem não haveria sociedade. Os falsos moralismos são aqui desmontados de forma cómica, diria mesmo gay, mas ao mesmo tempo de forma séria.

 

Abraço

 

Carlos

 

 

tags: ,

mais sobre nós
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


pesquisar
 
Website counter
blogs SAPO
subscrever feeds