ESPAÇO DE ENCONTRO E REFLEXÃO ENTRE CRISTÃOS HOMOSSEXUAIS em blog desde 03-06-2007
comentar
publicado por Riacho, em 05.06.14 às 23:42link do post | favorito

O secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) reconhece a necessidade de um "amparo legal da sociedade". A questão homossexual é tratada com muita prudência dentro da poderosa Igreja brasileira.

A reportagem é de Aglaé de Chalus, publicada no jornal La Croix, 30-05-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"É necessário dialogar sobre os direitos da vida comum entre pessoas do mesmo sexo, que decidiram viver juntas. Elas necessitam de um amparo legal na sociedade". A afirmação é do bispo Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, em entrevista ao jornal O Globo, o maior jornal brasileiro.

Para Arnaldo Adnet, um dos fundadores da Diversidade Católica, um grupo de católicos homossexuais, essa declaração é um "passo muito importante e inédito" da Igreja rumo ao reconhecimento de uma união civil entre pessoas do mesmo sexo.

No entanto, há um ano, a Conferência Episcopal tinha se oposto fortemente à resolução da Justiça que autorizava os casamentos homossexuais e transformava as uniões estáveis, uma espécie de pacto civil solidariedade brasileiro introduzido em 2011, em casamento, à espera de que uma lei fosse votada pelo Parlamento em nesse sentido.

Dom Antônio Dias Duarte, bispo auxiliar do Rio, ressalta que Dom Steiner "não se pronunciou a favor do casamento gay. A Igreja brasileira, assim como a Igreja do mundo inteiro, é contrário. Ele lembrou que as pessoas do mesmo sexo que decidem viver juntas devem ser protegidas pelo Estado, como qualquer outro cidadão; mas tal união não deve ser assimilada a um casamento".

A questão homossexual é tratada com muita prudência na poderosa Igreja brasileira. Mas, há alguns meses, ela deu vários passos. No ano passado, uma nota da CNBB intitulada "Uma nova paróquia" insistia na importância da acolhida, por parte da Igreja, das "novas situações familiares", como as "crianças adotadas por pessoas solteiras ou por pessoas do mesmo sexo que vivem em união estável".

Em janeiro, o padre-estrela Fábio de Melo tomou posição na televisão em favor da união civil para os homossexuais. Mais recentemente, no fim de abril, por ocasião da Parada Gay, a arquidiocese de São Paulo se solidarizou com as associações, defendendo as pessoas homossexuais na sua luta contra a discriminação e a violência de que são vítimas.

Arnaldo Adnet vê na declaração de Dom Steiner a consequência do que o papa confidenciou aos jornalistas depois da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, no seu voo de volta para Roma: "Se uma pessoa é gay e busca o Senhor com boa vontade, quem sou eu para julgar?".

"Muitos padres e bispos dão prova de grande abertura quando se discute a questão da união gay em particular, mas se recusam a fazê-lo em público. O Papa Francisco abriu o caminho para que outros representantes da Igreja possam se posicionar livremente."

"Ainda há muita homofobia no Brasil", lamenta Marcelo Cerqueira, presidente do Grupo Gay da Bahia, que registrou 312 assassinatos de homossexuais e travestis no país em 2013. "A declaração de Dom Steiner e a do papa vão na direção certa. Abrem um novo espaço de aceitação. Este século será o da integração".

 

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/532024-igreja-brasileira-da-um-passo-rumo-ao-reconhecimento-da-uniao-civil-dos-homossexuais


mais sobre nós
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


pesquisar
 
Website counter
blogs SAPO