ESPAÇO DE ENCONTRO E REFLEXÃO ENTRE CRISTÃOS HOMOSSEXUAIS em blog desde 03-06-2007
comentar
publicado por Riacho, em 30.11.08 às 15:47link do post | favorito

Gostei deste texto, que aqui partilho convosco, que fala da homossexualidade vista por um heterossexual.

 

Abraço

 

Carlos

 

Tantos são gays. Também são trabalhadores, amigos, estudantes, leitores assíduos, apreciadores das coisas boas... São seres humanos. Ás vezes, perdido nos meus pensamentos, tenho a leve impressão de que eles não são bem aceito neste mundo... É! Parecem que é um tipo de gente rejeitada.

São resumidos a uma condição sexual, enxergados pelos trejeitos. Dizem que é pecaminoso, animal, infernal o que sentem, mas não vejo assim. Percebo amor como em qualquer pessoa; o anseio de serem felizes como todos; de terem alguém para compartilhar a existência. Agora me digam... Por que são diferentes? Por que eles têm que mudar? O erro não parte deles! Não são eles que discriminam e matam aos poucos pelas trincheiras que constroem. Não são eles que pregam o amor e o perdão a uns e o desamor e a condenação a outros. Não são eles que colocam palavras de fel na boca de um Deus que é puro amor transbordando por toda a humanidade. Eles precisam mudar ou somos nós que devemos rever os conceitos? É uma estupidez e insulto ouvir de tantos que anunciam a aceitação, palavras de acalanto a dizer que a vida seria mais fácil para os gays, se eles mudassem e não nós.

Ainda hoje matam diversos irmãos e irmãs nas forcas da intolerância, açoitando a carne e esquartejando a alma de homens e mulheres que simplesmente almejam viver uma sexualidade sadia. Despejam nos calabouços infectos heróis solitários, heroínas gigantes em nome de uma ordem, de uma moral, de uma religiosidade, em nome do que é certo. Meu Deus do que é certo! Onde vamos parar?

Qual a dificuldade de entender que a única diferença é porque não são heterossexuais. Dizem que são doentes, mas na realidade somos nós os adoentados – sociedade segregadora –, os causadores de toda dor com o falso-moralismo, puritanismo agudo e com a fogueira da inquisição a caçar as "bruxas".

Apesar de terem que arrastar este peso de "abominação" e "pecado moral", apregoado por vários segmentos da nossa sociedade, sociedade considerada protótipo do celestial, tenho certeza de que os gays têm orgulho de pertencer a um grupo de guerreiros e guerreiras que estão lutando para reeducar gente ignorante e assassina. Reunindo forças para mostrar que ser diferente ou estranho não é ruim, nem doentio, nem pecaminoso, e sim de que é possível viver uma fé pautada na liberdade oferecida por uma espiritualidade sincera e não hipócrita.

Recordo-me de certa feita ter lido um comentário do Teólogo Leonardo Boff que dizia: "Se a relação for de amor, é algo tão profundo que tem a ver com Deus." Portanto,toda forma de amor é licita... Na união de um homem com uma mulher; entre duas mulheres ou entre dois homens se existir amor, Deus aí está! Digo a você que olha do alto e de longe... Não é espiritualidade julgar pelas aparências, reafirmando estigmas que ferem e incriminam, estampando rótulos que marginalizam e desvalorizam. Não é espiritualidade reduzir alguns pelas tendências, então se não quer aplaudir, não ria, mas acolha na sua diferença. Quem tem ouvidos, ouça!

 

in: http://www.webartigos.com/articles/9554/1/espiritualidade-de-encarar-as-nossas-diferencas/pagina1.html


comentar
publicado por Riacho, em 21.11.08 às 19:41link do post | favorito

Olá, boa noite

 

Venho só lembrar que o nosso encontro de Novembro, é amanhã, sábado 22-11-2008, às 21.15, na Rua Castilho, 61.

A reflexão debate andará à volta do texto "Uma espiritualidade gay" que podem ler no post anterior.

 

Contamos com vocês amanhã.

 

Abraço

 

Carlos


comentar
publicado por Riacho, em 18.11.08 às 22:24link do post | favorito

Trecho do livro: EMPEREUR, James L. Direção espiritual e homossexualidade, São Paulo, Loyola, 2006.

Uma espiritualidade gay

Diretores espirituais conscientes percebem que, quando um homossexual o procura para orientação, Deus está presente de maneira homossexual. Tal postura é básica para um trabalho autêntico com gays e lésbicas.

 

JAMES EMPEREUR

 

San Antonio, Texas - A homossexualidade é um dos dons mais significativos de Deus para a humanidade. Ser gay ou lésbica é ter recebido uma bênção especial de Deus. Todos os humanos recebem suas graças especiais do Criador, mas Ele escolheu que alguns fossem gays e lésbicas como uma maneira de revelar algo a respeito de Sua identidade que os heterossexuais não revelam. Da aceitação dessa premissa depende o sucesso ou o fracasso de toda direção espiritual autêntica e bem-sucedida junto a gays e lésbicas. Aconselha-se ao diretor espiritual que não consegue abraçá-la que limite seu trabalho com homossexuais. Isso não significa que o diretor deva aceitar tudo o que passa por atividade gay/lésbica; não implica que ele não possa abraçar a posição de sua Igreja a respeito da moralidade da atividade homoerótica. Mas significa que um diretor que deseje dedicar tempo considerável à direção de homossexuais não deve perceber essa orientação específica como algo inferior à orientação heterossexual.

 

Todos os diretores conscientes e sensíveis sabem que, quando alguém vai a eles em busca de acompanhamento em sua jornada espiritual, confiando-lhes algumas das partes mais significativas de suas histórias pessoais, eles estão na presença de seu Deus, tornado manifesto na forma do dirigido. Alguns diretores também podem perceber que, quando essa pessoa é homossexual, Deus está presente de maneira homossexual. Tal postura é básica para o trabalho autêntico com gays e lésbicas. Não se pode esperar menos do diretor.

 

Homossexual e sagrado não são termos incompatíveis. James Cotter argumentou que um dos maiores obstáculos para a afirmação da santidade do homossexual é a ênfase no termo “antinatural” quando se fala de relacionamentos gays e lésbicos. Para diretores que pratiquem direção em tempo considerável junto a gays e lésbicas, chegará o momento (e mais de uma vez) em que, apesar de suas próprias reservas a respeito de relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo, eles deverão colocar a mesma questão que Cotter coloca: como esses relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo são um meio de graça para as pessoas envolvidas e como é que as pessoas que vivem em tais uniões rumam para a santidade por meio das lutas que lhes são específicas?

 

Cada dirigido, gay ou heterossexual, é uma epifania de Deus de alguma maneira. É uma pessoa sexual. Como tal, cada dirigido manifestará algo a respeito do amor criador e vivificador de Deus. Já que, como sabemos, a maioria das pessoas no mundo é heterossexual, a sexualidade da maioria dos seres humanos chega a um cumprimento especial, um alto grau de sacramentalidade, na concepção e no nascimento de outro ser humano. Para a maioria dos diretores, isso significa que lidarão com heterossexuais que pos­suem a capacidade e a disposição para ser nossos exemplos mais freqüentes desse amor criador e do poder vivificador de Deus.

 

Se é esse o caso, como ficam as pessoas gays/lésbicas? De que modo elas são uma manifestação desse amor e desse poder de Deus? Elas o fazem de uma maneira especial. É por isso que sua sexualidade é um carisma entre seus irmãos e irmãs. Os gays cristãos pos­suem um carisma análogo ao carisma de uma vocação religiosa. Os membros das ordens e congregações religiosas não são os únicos cristãos chamados a viver vidas castas, pobres e obedientes no sentido evangélico dessas virtudes. Todos os cristãos o são. Os religiosos são poucos em número, e isso porque se pede que vivam essa vida com certa intensidade e reserva em resposta a um chamado. Esse chamado que os faz diferentes, mas não melhores que outros cristãos, é chamado carisma. O que diferencia o carisma do homem gay do carisma de um homem membro de uma ordem religiosa é que o do homem gay é um carisma sexual. Assim como Deus ofereceu certo dom a sacerdotes, irmãos ou irmãs na vida religiosa para que seguissem o evangelho com certo caráter público, assim Ele ofereceu aos homens gays e mulheres lésbicas um dom sexual especial, que exibe de maneira pública a diversidade e a beleza de Deus em nosso mundo. Todas as criaturas de Deus expõem a obra de Deus, mas o mundo também precisa de variação para que a riqueza dessa obra seja inequivocamente evidente. Deus dá a gays e lésbicas a variação um tanto surpreendente de sua sexualidade para ajudar seus irmãos e irmãs a ter uma compreensão maior da realidade de seu Deus.

 

A comparação do carisma de gays e lésbicas com o do chamado para a vida religiosa não constitui uma analogia completa. A vida religiosa é uma vocação acima da vocação que recebemos de Deus ao sermos criados filhos ou filhas de Deus. A sexualidade gay é um fato da criação. A similaridade do carisma baseia-se na liminaridade da experiência. Os religiosos são poucos em comparação à população total, e pede-se a eles que vivam de certa maneira, que carrega consigo certa qualidade contracultural. Se a vida religiosa é indistinguível do resto da vida cristã, parece não haver nenhum propósito para sua existência. As importantes transições pelas quais a vida religiosa está passando agora em um esforço para descobrir seu lugar no mundo hoje são uma prova disso.

Também os homossexuais são uma minoria. Também eles devem viver vidas contraculturais. Mais tarde, argumentarei que eles devem conduzir vidas mais marginais, mais liminares para oferecer uma contribuição à humanidade. Ao contrário dos homens e mulheres religiosos, eles não tiveram escolha quanto à vocação. Não lhes perguntaram se queriam ser homossexuais. Há muitas coisas importantes a respeito de nós mesmos como criaturas que nos foram dadas: nosso gênero, nossa orientação, nossa cor. Não escolhemos nossos pais, nossa nacionalidade, nossos dons e nossas limitações específicas. O carisma não se baseia primariamente na escolha, mas em um dom oferecido a alguém para ser compartilhado porque o mundo necessita desse dom. Em linguagem teológica, assim como para o religioso santo e saudável, para o gay/lésbica santo e saudável a vida deve ter um caráter escatológico mais evidente. Isto é, sua vocação é lembrar o mundo de algo que pode muito bem ser menosprezado. Todos os carismas convergem na tarefa de elevar o Deus oculto em nosso mundo e em nossas vidas.

 

Sexualidade e espiritualidade

É difícil afirmar a bondade da orientação homossexual onde a sexualidade e a espiritualidade estão em confronto. A separação das duas causada pelo dualismo corpo/espírito é bem conhecida e documentada na história do mundo ocidental. James Nelson, que escreveu amplamente na área da sexualidade e da espiritualidade, chama a atenção para um deslocamento que está reintegrando as duas. Segundo Nelson, a questão básica do cristianismo deixou de ser “o que a Bíblia, a tradição e a Igreja dizem a respeito da sexualidade?” para dar lugar a “o que nossa expe­riência da sexualidade diz a respeito de nossa compreensão da fé?” O homem gay não pode contentar-se em esperar que a tradição lhe diga como pensar e sentir Deus; ele precisa perguntar a si mesmo como está efetivamente experimentando Deus e como sua experiência pode contribuir para a compreensão geral da rea­lidade de Deus hoje. Mais importante, precisa confiar em sua experiência de Deus.

 

A questão mais profunda aqui é a inadequação da tradição para lidar com avanços na compreensão contemporânea da pessoa humana, já que se baseia muito freqüentemente no essencialismo filosófico. A teologia moral contemporânea afasta-se desse tipo de essencialismo quando vê o pecado e a graça como realidades relacionais. Os estados de graça e pecado não são certas condições estáticas de nossas almas, que possam ter delimitados seu início e seu fim. E Vincent Genovesi diz:

"No nível mais profundo de nossa existência, nossas vidas são vividas em graça, inspiradas e informadas em graus maiores ou menores por um amor por Deus e pelo próximo, ou são vividas em egoísmo e pecado, caso em que estamos vivendo basicamente vidas sem amor".


Ao avaliar nossa relação com Deus, não podemos, portanto, ficar satisfeitos em fazer perguntas simples como: “Isto é certo ou errado?”. Devemos perguntar: “Em que medida minha vida é uma vida amorosa? Em que medida há um fracasso em amar na minha vida? [...] A verdade parece ser que escolhemos ajudar ou magoar, amar ou ser egoístas, por meio de numerosas pequenas decisões ao longo de um período de tempo”.

Aquilo que muitas vezes é denominado tradição essencialista, isto é, a tradição segundo a qual existem normas absolutas, independentes das circunstâncias históricas, julga difícil haver uma perspectiva positiva da experiência homossexual. Para compreender a natureza de nossa sexualidade, devemos ler sua história. Isso irá revelar como os seres humanos têm sido sexuais por meio de relacionamentos mutuamente capacitadores ou, por outro lado, pelo controle dos outros, pelo abuso do poder sobre os outros. Como assinalam pensadores como Michel Foucault, nossa sexualidade é construída socialmente. Ela não é simplesmente dada em uma forma imutável no início da criação humana. Fomos relacionais em nossas origens e somos relacionais hoje. Carter Heyward o expressa desta maneira:

"Não existe algo como homossexual ou heterossexual se, com isso, queremos designar uma essência fixa, uma identidade essencial. Há, antes, pessoas homossexuais e heterossexuais — pessoas que atuam homossexual ou heterossexualmente [...] Somos apenas o que estamos nos tornando em relação ao outro".

 

Como Heyward observa, uma leitura histórica de nossa sexua­lidade é um desafio tanto para gays e lésbicas como para os que se opõem a eles. Gays e lésbicas não podem afirmar que, porque são de certa maneira, possuem certos direitos a agir de certa maneira. Tampouco os que se opõem à homossexualidade podem dizer que gays e lésbicas, por sua natureza, são imperfeitos ou doentes. A perspectiva histórica ajuda-nos a perceber que é o que fazemos, não o que somos, que é significativo na área do viver cristão.

Além disso, a sexualidade é cada vez mais vista como parte necessária de nossas vidas espirituais e, portanto, intrínseca a nossa experiência de Deus. Essa perspectiva vê antes o companheiro que a procriação como o fim primário da sexualidade, algo que, segundo Nelson, os pensadores protestantes haviam sustentado três séculos atrás. Uma vez aceita essa premissa, diz Nelson:

“A fome humana de intimidade física e emocional é de enorme significação espiritual. Ela não deve ser denegrida como imprópria para a vida espiritual. Assim, a teologia tem dado nova atenção ao discernimento de que a sexualidade é crucial para a vontade de Deus de que as criaturas não habitem em isolamento e solidão, mas em comunhão e comunidade”.

Que a sexualidade seja intrínseca a nossa experiência de Deus não deve revelar-se como uma surpresa para os cristãos que consideram seriamente uma teologia encarnacional. Infelizmente, porém, revela-se como surpresa, sim, e para a consternação de muitos. Mas, como nos lembra Helminiak: “Sem integração sexual não podemos ser pessoas em pleno funcionamento. A consciência contemporânea também acrescenta o corolário: apenas uma pessoa em pleno funcionamento pode ser espiritualmente desenvolvida”. Diante do negativismo com que elas sempre viram a homossexualidade, o desafio para as Igrejas será descobrir como são chamadas a responder ao fato de que também os gays devem incluir a sexualidade em sua experiência de Deus. Como qualquer heterossexual, eles devem encontrar maneiras de ter uma experiência plenamente sexual de Deus. Tal declaração pode ser facilmente mal compreendida porque a palavra “sexual” para muitos sugere uma experiência erótica e genital. Aqui, quando digo “sexual” refiro-me à experiência total de si mesmo como homem ou mulher, como heterossexual ou gay/lésbica. Nossa experiência da sexualidade como algo difundido em toda a nossa pessoa refere-se a nossa auto-imagem, nossa imaginação, nossas sensações corpóreas, nossa percepção de como o gênero afeta nossa maneira de ser. Essa corporifi­cação mais completa é muitas vezes manifestada em nossa experiência de estarmos em nossos corpos, confortáveis com o fato de estarmos encarnados, felizes por termos órgãos genitais. Em um casamento heterosse­xual, isso geralmente implicaria expressão genital.

 

Uma parte importante da mudança que tem reaproximado a sexualidade e a espiritualidade está ocorrendo no campo da ética. É o movimento de afastamento de uma moralidade orientada pelo ato para uma moralidade de caráter mais processual. Pecar na área da sexualidade não se refere tanto a fazer “certas coisas ruins”, mas, antes, a agir de modo que nos alienemos de nossa sexualidade, seja denegrindo o corpo, seja transformando-o em objeto de veneração. Temos mais consciência de tal alienação hoje porque percebemos como ela se manifesta na opressão das mulheres e na violência sexual, para não mencionar as maneiras aparentemente infindáveis pelas quais o mundo da propaganda e do entretenimento nos manipula para seus próprios fins. Apesar de compreensível a partir de uma perspectiva histórica, é lamentável que tenha sido a Igreja quem promoveu esse tipo de moralidade mais orientada para o ato, em que as ações sexuais são julgadas de modo isolado do resto da pessoa, como se alguém olhasse uma pequena parte da criação sob um microscópio, prescindindo do mundo maior.

 

Os próprios cristãos contribuíram para a alienação que tantos gays e lésbicas sentem. O que se está pedindo aos cristãos é que se afastem dessa noção desencarnada de salvação, que tem afligido o cristianismo por séculos, e encontrem novas maneiras de incluir seus irmãos e irmãs gays em uma abordagem mais holística da salvação. É uma abordagem que afirma a santidade de nossos eus mais humanos e sexuais. Nelson observa:

"A santificação sexual significa desenvolvimento na auto-aceitação corporal, na capacidade para a sensualidade, para o jogo, na difusão do erótico por todo o corpo (em vez de sua genitalização) e no abraço da possibilidade andrógina".

Não se trata de um ideal recém-concebido, do fim do século XX. O viver plenamente humano, que encontra sua perfeição em Deus, sempre esteve no âmago do cristianismo. As discussões de hoje na cristologia deixam isso claro. Não podemos apreciar a humanidade plena de Jesus e pôr entre parênteses sua sexualidade. Como assinala Joan H. Timmerman, não podemos igualar as fórmulas “Jesus é como nós em todas as coisas, salvo no pecado” e “Ele é como nós em todas as coisas, exceto no sexo”. Podemos fácil e confortavelmente apontar acontecimentos como a transfiguração como uma manifestação da divindade de Jesus, mas não é muito facilmente que buscamos a epifania da humanidade de Jesus no “cálido conforto dos genitais”. Timmerman diz:

"A encarnação, em um sentido real, não é completa até que a comunidade das pessoas descubra Deus revelado em sua própria humanidade; assim também, um elemento da cristologia está ausente enquanto não nos permitimos formular imagens de Jesus penetrando na paixão da sexualidade tão profundamente como o fizemos no que se refere à paixão do seu sofrimento".

 

Seria uma contradição as Igrejas ensinarem uma espiritualidade encarnacional, em que a sexualidade fundamenta nossa própria capacidade de amar a Deus, e depois pedir ao homossexual que fosse “assexuado”. Aqui, o convite às Igrejas é certamente um convite de articulação e rearticulação teológica. Mas talvez o desafio ainda maior seja o fato de estar ocorrendo entre seus membros uma mudança significativa, que muitas vezes diverge do ensinamento oficial. Num tempo em que ocorre tal teste, precisamos escutar a todos nas Igrejas para discernir a voz de Deus. Não está além do plano de Deus que nossos irmãos gays e nossas irmãs lésbicas estejam nos ensinando algo sobre Deus na carne e como viver sob a cruz.

 

Finalmente, Nelson vê a reunião de espiritualidade e sexualidade no reconhecimento público da sexualidade do indivíduo e da comunidade eclesiástica. Ele atribui boa parte disso ao feminismo religioso, assim como à consciência gay/lésbica. Há um reconhecimento nas Igrejas de que, no passado, a devoção protestante foi extremamente apreensiva quanto aos sentimentos e ao corpo; de que o corpo parecia não ter nenhum lugar na teologia encar­nacional católica tal como ensinada e praticada, e de que a educação cristã não colocou a sexualidade firmemente no centro da jornada de fé do crente. Parece estranho, mas é como se a Igreja finalmente estivesse percebendo que todos os seus membros possuem corpos com genitais. E alguns desses membros são gays.

Não é mais possível tratar a sexualidade como algo privado. A Igreja não pode, por um lado, ser muito pública quanto ao aborto, ao planejamento familiar, ao abuso sexual, à gravidez adolescente e a todas as outras questões que suscitam o interesse e estão sempre presentes nos jornais e na televisão e, depois, lidar com o comportamento genital unicamente em termos individualistas. As questões sexuais hoje são tão difundidas quanto as do racismo e da economia. Não é de admirar que muitos estejam questionando o dualismo corpo/espírito que nos manteve cativos por tanto tempo. Por exemplo, uma espiritualidade que dicotomiza o sagrado e o profano é uma espiritualidade que separa a liturgia da justiça e a inserção na cultura da veneração e das questões sociais. Tal separação não funciona, religiosamente falando, e descobrimos que não podemos fundar uma espiritua­lidade em tal abismo. Hoje, há a renovação de uma espiritualidade mais centrada na criação. Isso cobre um amplo espectro de espiritualidades, seja a de Agostinho, seja a de Matthew Fox. Estamos no meio dessa mudança, e parte dela consiste na rein­trodução da sexualidade na espiritualidade. Nem tudo está claro. Foram e serão cometidos erros. Mas gays e lésbicas devem fazer parte desse casamento de espiritualidade e sexualidade. Podem beneficiar-se dele permitindo-se encontrar sua sexualidade como um caminho para Deus. E podem contribuir para ele oferecendo ao mundo heterossexual uma experiência de Deus que só eles podem ter. Trata-se de uma perspectiva e de uma experiência necessárias para que a epifania plena de Deus ocorra em nosso tempo. Deus criou gays e lésbicas para esse propósito e confiou-lhes essa missão.

 

A experiência gay na espiritualidade cristã hoje

Creio que, quando for escrita a espiritualidade do século XXI, ela mostrará as muitas maneiras pelas quais a experiência gay terá enriquecido a teologia e a espiritualidade. Vou concentrar-me em apenas uma de tais contribuições, que penso ser central para o futuro da espiritualidade: a superação de uma compreensão e de uma experiência dualistas da pessoa humana, da sociedade e de nosso relacionamento com Deus. Não seria leviano dizer que poderíamos escrever a história da espiritualidade cristã examinando a presença de dualismos nessa comunidade. Houve e continua a haver uma injustiça quando determinados dualismos governam nossas vidas.

 

Teoricamente, somos todos capazes de alcançar a união da carne e do espírito, de promover o funcionamento conjunto da sociedade e da Igreja e de integrar nossa sexualidade e nossas experiências mais profundas de prece. Mas essas convergências não são tão facilmente obtidas. A sociedade, assim como a Igreja, luta com elas com um grau variado de sucesso. A divisão da pessoa em corpo (isto é, material) e alma (isto é, espiritual) ainda está viva no pensamento cristão, como a experiência dos funerais deixa claro. Isto é, muitas pessoas ainda identificam os restos no caixão com o corpo como se a alma fosse alguma coisa existente por si só. Uma abordagem mais bíblica e mais holística compreenderia as palavras “corpo” e “alma” como referentes à pessoa inteira sob as diferentes dimensões de um modo de ser no mundo (corpo) e em função das qualidades vivificadoras da pessoa (alma). Um dualismo fragmentador é especialmente evidente na área da sexualidade. Dou-me conta de que julgamos inimaginável que a relação sexual possa ser uma forma de prece sempre que, durante uma sessão preparatória de casamento, pergunto ao casal se a união sexual será parte de sua prece. Alguns indicam que sim; outros parecem ficar confusos com a pergunta; há ainda os que reagem com temor e mesmo com um tipo de horror. Apesar de todos os esforços feitos por autores e praticantes espirituais, além de feministas, para que seja superada essa abordagem dualista, ainda carecemos do tipo de integração de matéria e espírito exigido para que a espiritualidade e a sexualidade se tornem parceiras em nosso movimento rumo a Deus.

Precisamos procurar por novos paradigmas e exemplos mais complexos de tal integração. Como vários movimentos de liberação evidenciaram, geralmente encontramos os exemplos mais claros entre os que chamamos de marginais ou liminares, isto é, as pessoas cujas vidas estão nas bordas da cultura dominante, cujas identidades são consideradas ambíguas pelas principais instituições do mundo, inclusive a Igreja. Como escrevi em outra parte:

"Encontramo-la [a superação do dualismo] entre os pobres que são incapazes de mover-se, pressionados pelo poder de seus superiores civis e eclesiásticos. Eles são os menos propensos a abrir um abismo dualista entre seu eu corporal e sua vida espiritual. Pois a pessoa inteira é oprimida, a pessoa inteira é pobre, a pessoa inteira é jogada para as margens".

Como observarei mais tarde, não são apenas os economicamente pobres que se encontram em tal estado liminar, mas todas as minorias. Também pertencem a esses grupos, portanto, aqueles cujas vidas são caracterizadas por uma atração poderosa por membros do mesmo sexo. Muitos gays e lésbicas são pobres em relação a sua sexualidade. Muitas vezes, como não podem ter validados a identidade e os sentimentos, negam suas energias sexuais, escondem seus sentimentos. Gays e lésbicas cristãos muitas vezes fazem isso por causa da postura das Igrejas para com eles. É uma forma de injustiça que ainda existe. Mas é justamente aqui que a espiritualidade gay pode dar sua contribuição para a tradição espiritual. Quero dizer que é ao encarar essa injustiça que gays e lésbicas podem ministrar para o resto de nós por meio de sua condição liminar. Escrevi anteriormente:

"Hoje, o primeiro passo na área da justiça e das pessoas gays e lésbicas é a justiça que eles devem a si mesmos na auto-afirmação e na aceitação da responsabilidade pela escolha que fizeram no que se refere a um dado relacionamento. Mas não é suficiente alguém saber que é pobre; é preciso também ser aberto com os outros para a verdade, para que tal pobreza não se torne desumanizadora".

O ministério de gays e lésbicas espiritualmente comprometidos é primariamente um ministério da vulnerabilidade, na busca de uma Igreja e de uma sociedade mais justas e de uma espiritualidade mais orientada para a justiça. Eles já estão em uma posição vulnerável na sociedade e na Igreja. Não é algo que devam buscar. Já são objeto de ridicularização e de discriminação. Contudo, essa vulnerabilidade não precisa torná-los fracos, já que nela se encontra seu poder. A espiritualidade gay oferece à tradição espiritual cristã e a outras uma perspectiva específica da justiça pretendida por Deus. Não é uma justiça obtida apenas por meio de protestos zangados contra as instituições, nem pela rejeição de uma Igreja homofóbica. A justiça real surge “quando colocamos nossas energias em viver uma vida compassiva, verdadeira e alegre”. Isso não significa que não haja lugar para que vozes proféticas falem contra as injustiças de várias maneiras, inclusive por meio de protestos. Mas a profecia sem amor e compaixão é vazia.

 

Gays e lésbicas podem oferecer à Igreja uma espiritualidade de justiça, com prioridades que podem diferir das de outros grupos que buscam justiça. Homossexuais sensíveis a questões de injustiça social concordariam com a afirmação de que não há paz sem justiça e que deve haver justiça antes da paz, mas acrescentariam que deve haver amor antes da justiça. Essa é uma justiça que flui da compaixão em vez de basear-se em direitos ou imperativos morais. É uma experiência holística de justiça, em que o dualismo costumeiro foi temperado. É triste que hoje o exemplo mais claro dessa saudável compaixão seja encontrado na maneira como o homem gay, por exemplo, lida com os que têm aids. O fato é que a necessidade de outro paradigma de integração humana é encontrado no testemunho de homens e mulheres gays liminares, compassivos ao amarem e cuidarem de seus amigos, que podem estar suportando uma dor arrasadora e o possível fim de suas vidas.

A justiça que flui da preocupação compassiva por nossos irmãos e irmãs é um chamado a todos os seres humanos, não apenas gays e lésbicas. Uma grande força une o movimento feminista e o movimento de gays/lésbicas no anseio de reconstruir a sociedade e a Igreja ao longo de linhas mais orientadas para a justiça. Existe, porém, algo distinto dos homossexuais que torna esse amar compassivo um paradigma muitíssimo adequado da integração humana que promove justiça. É um modelo de inte­gração humana que dá substância ao quadro maior do desenvolvimento sexual espiritual. Como os heterossexuais, os homens e mulheres gays devem primeiro amar a si mesmos antes de poderem envolver-se no ministério do amor compassivo pelos outros em um sentido espiritual autêntico. Contudo, também para amar a si mesmos os gays devem superar certos obstáculos que não se apresentam ao homem ou à mulher heterossexual. Apesar do que a sociedade, a Igreja e a família possam dizer-lhes, eles são amáveis e podem amar a si mesmos tão profundamente quanto qualquer pessoa heterossexual. E devem amar a si mesmos justamente como gays, porque é como Deus os ama e quer que sejam. Os homens heterossexuais podem ser, e freqüen­temente são, ameaçados por boa parte da agenda feminista, com seus programas antipatriarcais, sua ênfase na igualdade e sua exigência de reconhecimento da maneira específica como as mulheres pensam e interagem. O feminismo também ameaça muitos homens no que diz respeito a sua sexualidade. Contudo, nada coloca tão em questão a auto-identidade de um homem quanto o fato de haver homens que amam outros homens e expressam esse amor sexualmente. Isso é percebido como um ataque à última defesa da masculinidade, que se baseia em uma diferenciação do feminino. Em sua pior forma, essa postura defensiva degenerou no “espancamento de gays”. É por isso que o testemunho do homem gay é tão evocativo neste tempo. Amy E. Dean, em uma de suas meditações para lésbicas e homens gays, diz:

“Muitos heterossexuais argumentarão que a atração por membros do sexo oposto é normal e que seu fim primário — a propagação — é parte da ordem natural das coisas. O fato de que outras pessoas podem ser atraídas por membros do mesmo sexo cria um dilema incrível para eles; eles não compreendem como algo que é tão natural e normal para eles não é o que todos os outros querem também”.

Como o homem gay pode ser bastante ameaçador para os homens heterossexuais — muitas vezes porque o percebem como alguém que ostenta publicamente aspectos da sexualidade que os heterossexuais suprimiram em suas vidas —, o homem gay saudável pode dar testemunho da integração humana de maneiras significativas. Pressupondo que pode amar a si mesmo e afirmar sua bondade como dada por Deus, ele pode manifestar um amor do eu em que o homem não está dominando uma mulher, em que o foco não está na genitalidade36 e na reprodução, em que a importância do toque difuso por todo o corpo é afirmada. Não que os heterossexuais não possam também dar testemunho desse tipo de integração. Mas eles devem primeiro lidar com as questões do sexismo, do patriarcado e da opressão das mulheres. Por essa razão, é possível que os homens gays manifestem mais diretamente a ligação entre amar os outros e fazer justiça neste tempo. Isso significa que muitas vezes os homens gays podem ser melhores testemunhas do poder do erótico de impelir-nos para a liberação humana do que no caso em que se concede liberdade completa ao erotismo. Essa afirmação é possível se compreendemos que, como a própria sexualidade, o erotismo não pode ser limitado à atividade genital. Como Audre Lorde expressa: “Tendemos a pensar no erótico como uma excitação fácil, provocante. Falo do erótico como a mais profunda força vital, uma força que nos move a viver de uma maneira fundamental”.

 

Os homens gays podem manifestar a afinidade fundamental entre o erótico (no sentido de Lorde) e a justiça porque o erótico consegue encontrar um lar espiritual em seus relacionamentos. Aqui, os envolvidos experimentam-se como igualmente valiosos, como fontes de amor e como amigos genuínos. Os homens gays podem ajudar-nos a compreender como o erótico tem qualidade curativa, modela nossos relacionamentos e fornece a energia para que nos movamos de uma maneira mais comprometida para manter nossos relacionamentos libertadores e íntimos. Lorde trata diretamente dessa ligação da justiça com o erótico:

“Quando começamos a viver de dentro para fora, em contato com o poder do erótico dentro de nós mesmos e permitindo que esse poder informe e ilumine nossas ações sobre o mundo a nosso ­redor, nós começamos a ser responsáveis por nós mesmos no sen­tido mais profundo. Pois começamos a reconhecer nossos sentimentos mais profundos, começamos a renunciar, necessariamente, a nos conformarmos com o sofrimento, a autonegação e a insen­si­bilidade, que tão freqüentemente parece ser a única alternativa em nossa sociedade. Nossos atos contra a opressão tornam-se integrais ao eu, derivando motivação e força do interior.”

Os homens gays e as mulheres lésbicas podem ministrar para os relacionamentos heterossexuais hoje ao apontarem as qualidades que devem ser encontradas na vida casada para que o prazer sexual seja experimentado como forma de união espiritual e de comunicação libertadora. Hoje, quando homens e mulheres lutam para transformar os relacionamentos íntimos, levando-os da dominação para a parceria, eles podem redescobrir a ligação emanci­pa­dora entre sexo e espiritualidade. Os homens e mulheres gays podem ser modelos de como o erotismo pode e deve influenciar todas as nossas interações com o mundo e com Deus. Marvin M. Ellison observa:

Estou convencido de que uma espiritualização sem paixão erótica torna-se fria e sem vida. Deus torna-se uma abstração, antes uma idéia que uma presença viva em nossas vidas. Estou à procura de uma espiritualidade cristã que reconheça que a vocação humana é fazer amor apaixonado neste mundo, em nossas camas e em nossas instituições. Amar bem significa compartilhar o dom da vida com zelo e grande generosidade e buscar relações corretas com todos os outros, relações de igualdade e mutua­lidade genuínas, de poder compartilhado e respeito.

Ao dirigir suas energias eróticas para a área da justiça social, os gays e lésbicas podem experimentar sua sexualidade como um sacramento do amor de Deus pela humanidade; mas a sexualidade também se torna sua maneira de discernir onde a justiça está ausente e como eles poderiam realizar de modo realista essa justiça. “Na verdade, o próprio poder de nossos momentos mais íntimos e orgásmicos simultaneamente nos liberta de nós mesmos, devolve-nos renovados a nós mesmos e transborda como aquela energia pela qual nos juntamos à libertação de toda a terra.”

Os homossexuais hoje assumem seu lugar juntamente com os outros grupos marginais na realização da boa nova da salvação. Os liberacionistas latino-americanos colocaram as relações familiares acima da riqueza, do poder político e do paternalismo. O fe­mi­nismo trouxe à luz como o sexismo adulterou a própria palavra de Deus. As novas Igrejas do Pacífico desafiam o Deus das Igrejas ocidentais, apresentado em sentimento e forma coloniais. Há algo de profético nesses movimentos. Os gays/lésbicas participam dessa mesma vocação profética. Como isso ocorre realmente?

“O que os santos gays e lésbicas de nosso tempo testemunham para a Igreja é o fato de que a santidade é um negócio apaixonado, de que o viver sexual pleno revela o caráter único do ser uma pessoa corporificada, de que a encarnação exige mutualidade e igualdade também entre as pessoas do mesmo sexo, de que a amizade é mais significativa que os relacionamentos competitivos, de que santidade é o mesmo que usufruir a vida e amar de maneira não-possessiva, não limitando a sexualidade a algumas ocasiões, mas espalhando-a em uma experiência contínua de amor aprazível”.

A espiritualidade gay pode não ser mais encarnacional que qualquer outra espiritualidade cristã, mas isso não diminui o fato de que ela tem um papel especial a desempenhar na tradição cristã e no viver a vida cristã. Os homens e mulheres gays devem tornar-se missionários em um mundo homofóbico. Os homens gays, em particular, podem mostrar aos homens heterossexuais (e também às mulheres, na medida em que for aplicável) que não precisam separar-se de seus sentimentos e viver vidas desencarnadas, que não precisam provar seu valor por meio de realizações, que o temor da sexualidade e do prazer não precisa transformar-se em raiva e violência, e que eles podem abandonar o controle de suas vidas e não sentir-se compelidos a ter filhos para assegurar-se de um futuro. A espiritualidade gay é uma espiritualidade cristã culturalmente inserida porque permite que o evangelho se desenvolva a partir dos seguidores homossexuais de Cristo.

 

Pe. James Empereur, S.J., é pároco e liturgista em San Antonio, Texas. Por muitos anos foi professor de espiritualidade e de Teologia Sistemática na Jesuit School of Theology and the Graduate Theological Union, em Berkeley, Califórnia. Na mesma universidade participou também como líder do programa doutoral de Teologia nas Artes.  É autor de vários livros, entre eles Worship: exploring the sacred and the liturgy that does justice. Este artigo foi extraído de seu livro mais recente Direção espiritual e homossexualidade.

in: http://www.diversidadecatolica.com.br/bibliografia_trecholivro.asp

 

Os sublinhados a amarelo, deste texto fantástico, são da minha responsabilidade.

 

Abraços

 

Carlos


comentar
publicado por Riacho, em 15.11.08 às 17:06link do post | favorito

 

 


comentar
publicado por Riacho, em 09.11.08 às 00:28link do post | favorito

21/5/2008. Como bispo, ele pediu com freqüência a Deus: “Por que não nos dás idéias melhores? Por que não nos tornas mais fortes no amor e mais corajosos em afrontar os problemas atuais? Por que temos tão poucos padres?” Hoje, tendo ingressado num estado de ânimo crepuscular, confia no sentido de pedir a Deus para não ser deixado só. Na última estação de sua vida, Carlo Maria Martini se confessa a um co-irmão austríaco e nascem os “Colóquios noturnos em Jerusalém”, recém editados pela Herder na Alemanha, que representam seu testamento espiritual. Confessa ter também estado em conflito com Deus, elogia Martinho Lutero, exorta a Igreja à coragem de reformar-se, de não se afastar do Concílio  Vaticano II e de não temer confrontar-se com os jovens. Um bispo, recorda, deve também saber ousar, como quando ele foi ao cárcere falar com militantes das Brigadas Vermelhas “e eu os escutei e orei por eles e batizei até um par de gêmeos de genitores terroristas, nascidos durante um processo”. A reportagem é de Marco Politi e publicada pelo jornal La Repubblica, 19-05-2008.

Com o padre Georg Sporschill, também ele jesuíta, o ex-arcebispo de Milão é de uma sinceridade total. Sim, admite, “tive dificuldades com Deus”. Não conseguia entender por que razão teria feito sofrer seu Filho na cruz. “Mesmo como bispo de vez em quando eu não conseguia olhar para um crucifixo, porque a interrogação me atormentava”. E nem mesmo a morte eu conseguia aceitar. Deus não teria podido poupá-la aos homens após a morte de Cristo

Depois entendeu. “Sem a morte não poderemos dar-nos totalmente a Deus. Manteríamos abertas as saídas de segurança”. E, no entanto, não é assim. 

É preciso confiar nossa própria esperança a Deus e nele crer. “Eu espero poder pronunciar na morte este sim a Deus”. 

No entanto, se pudesse falar com Jesus, Carlo Maria Martini lhe perguntaria “se ele me ama não obstante as minhas fraquezas e os meus erros e se vier me buscar na morte,  se me há de acolher”, Os discursos de Jerusalém são como um longo simpósio noturno, sem bebidas, alimentados somente pelo fluxo dos raciocínios, garantidos pelas quentes sombras de uma noite que se prolonga até o alvorecer. Houve um tempo – conta – no qual “sonhei com uma Igreja na pobreza e na humildade, que não dependesse das potências deste mundo. Uma Igreja que concede espaço às pessoas que pensam mais além. Uma Igreja que dá coragem, especialmente a quem se sente pequeno ou pecador. Uma Igreja jovem. Hoje já não tenho mais tais sonhos. Após os setenta e cinco anos decidi rezar pela Igreja”. 

E, no entanto, aos oitenta e um anos, o cardeal, grande biblista, não deixa de sugerir à Igreja que tenha coragem e ouse reformas. É essencial ter a capacidade de andar ao encontro do futuro. O celibato, explica, deve ser uma verdadeira vocação. Talvez nem todos tenham o carisma. Confiar a um pároco sempre mais paróquias ou importar padres do exterior não é uma solução. “A Igreja deverá fazer surgir alguma idéia. A possibilidade de ordenar homens provados (isto é, homens casados com fé provada, ndt) é discutida”. Até o sacerdócio feminino não o espanta. 

Recorda que o Novo Testamento conhece as diaconisas. Admite que o mundo ortodoxo é contrário. Conta também de num encontro seu com o primaz anglicano Carey, na época em que a Igreja anglicana estava tensa pelas primeiras ordenações de mulheres – sacerdotes (combatidas pelo Vaticano). “Eu lhe disse, para dar-lhe coragem, que esta audácia podia ajudar também a nós a valorizar mais as mulheres e a entender como ir em frente”.

Sobre sexo, o Cardeal convida os jovens a não desperdiçarem relações e emoções, aprendendo a conservar o melhor para a união matrimonial, mas não tem dificuldade em romper tabus cristalizados com Paulo VI, Wojtyla e com Ratzinger. “Infelizmente a encíclica Humanae Vitae provocou alguns desenvolvimentos negativos. Paulo VI subtraiu conscientemente o tema aos padres conciliares” Quis assumir pessoalmente a responsabilidade de decidir sobre os anticoncepcionais. “Esta solidão decisional não foi, em longo prazo, uma premissa positiva para tratar os temas da sexualidade e da família”. A quarenta anos da encíclica, diz Martini, poder-se-ia lançar um “novo olhar” a esta matéria. Porque a Bíblia, recorda, é muito sóbria nas questões sexuais. Muito clara ela é somente em condenar quem irrompe, destruindo, num matrimônio alheio. Quem dirige a Igreja, sublinha, pode hoje “indicar um caminho melhor do que a Humanae Vitae”. O Papa poderia escrever uma nova encíclica.

E a homossexualidade? O purpurado recorda as duras palavras da Bíblia, mas recorda também as práticas sexuais degradantes da Antigüidade. Depois acrescenta delicadamente: “Entre os meus conhecidos há casais homossexuais, homens muito estimados e sociáveis. Jamais me foi perguntado e nem me teria vindo em mente condená-los”. Demasiadas vezes, acrescenta, a Igreja tem se mostrado insensível, principalmente com os jovens nesta condição.

Há um fio vermelho que conecta os seus raciocínios na quietude de Jerusalém. Os fiéis não têm necessidade de quem lhes instile uma consciência má, necessitam ser ajudados a ter uma “consciência sensível”. E sejam estimulados continuamente a pensar, a refletir.

“Deus não é católico”, costuma exclamar Madre Teresa. “Não podes tornar Deus católico”, acentua Martini. Certamente os homens necessitam de regras e limites, mas Deus está além das fronteiras que são erguidas. “Elas nos servem na vida, mas não devemos confundi-las com Deus, cujo coração é sempre mais amplo”

Deus não se deixa domesticar.

Se esta é a perspectiva, é possível dirigir-se a Ele com espírito mais aberto ao não crente ou ao seguidor de uma outra religião. Com quem não crê pode-se discutir sobre os fundamentos éticos que o animam. E é belo caminhar junto a quem tem uma fé diversa da nossa.

“Deixa-te convidar a uma prece com ele – sugere com mansidão Martini – conduze-o alguma vez a um rito teu. Isto não te afastará do cristianismo, ao contrário, aprofundará o teu ser cristão. Não queiras ter medo do estranho”.

Para o cardeal, o grande desafio geopolítico contemporâneo é o choque das civilizações. Os cristãos conhecem verdadeiramente o pensamento e os pensamentos dos muçulmanos – pergunta-se Martini – e como fazer para entendê-los? São três as indicações: desfazer os preconceitos e a imagem do inimigo, porque os terroristas não podem realmente fundar-se no Corão. Estudar as diferenças. Enfim, aproximar-se na prática da justiça, porque o Islã, em última instância, é uma religião filha do cristianismo, assim como o cristianismo descende do judaísmo.

A regra áurea do cristianismo – Martini o acentua neste seu escrito que tanto se assemelha a um testamento espiritual – é “Ama o teu próximo como a ti mesmo”. Além disso, explica com a precisão do estudioso da Bíblia, Jesus diz mais: “Ama o teu próximo porque é como tu”. Daí surge o imperativo de praticar justiça. É terrível, insiste Martini, invocar Deus até na constituição européia, e depois não ser coerentes na justiça. E aqui o cardeal da Santa Igreja Romana toma em mãos o Corão e lê a esplêndida Sura segunda. Não se é justo, se a gente se inclina para orar ao Oriente ou ao Ocidente. Justo é aquele que crê em Alá e no Último Juízo. Justo é aquele que “cheio de amor doa os seus haveres aos parentes, aos órfãos, aos pobres e aos peregrinos”. Quem dá a esmola e resgata os encarcerados. “Este é justo e verdadeiramente temente a Deus”.

Depois torna a refletir sobre o Além. Existe o Inferno? Sim. “Contudo, tenho a esperança que Deus, no final, salve todos”. E, se existem pessoas como um Hitler ou um assassino que abusa de crianças, então talvez a imagem do Purgatório seja um sinal para dizer: “Mesmo que tu tenhas produzido tanto inferno (sobre a terra), talvez após a morte ainda exista um lugar onde possas ser curado”.

Jamais terminariam os discursos noturnos de Jerusalém. Entende-se isto do andamento tranqüilo das perguntas e das respostas. Como do lugar onde prosseguem. Martini retornou entrementes à Lombardia, enfraquecido pelo Parkinson. A quem o escuta, deixa este sinal: “Também podemos lutar com Deus como Jacó, duvidar e debater-nos como Jó, entristecer-nos como Jesus e suas amigas, Marta e Maria. Também estas são veredas que conduzem a Deus”.

 

in: http://www.unisinos.br/ihu/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=14151


comentar
publicado por Riacho, em 06.11.08 às 22:35link do post | favorito

A vaga democrata que levou Barack Obama à Casa Branca, não impediu os norte-americanos de mostrar nos referendos locais o seu apego aos valores tradicionais, rejeitando em vários Estados o casamento homossexual.

 

Para além do voto presidencial, os eleitores foram também chamados a pronunciar-se sobre 153 referendos e iniciativas populares em 35 Estados.

A Florida, o Arizona, o Arkansas e sobretudo a Califórnia adoptaram propostas que proíbem o casamento homossexual.

aborto, eutanásia e casamentos gay em xeque

Na Califórnia, apenas seis meses depois do Supremo Tribunal do Estado ter considerado inconstitucional proibir o casamento homossexual, «a Proposta 8», alvo de intensos debates e de uma dispendiosa campanha na Califórnia, propôs uma alteração constitucional, afirmando que «só o casamento entre um homem e uma mulher é um válido e reconhecido na Califórnia».

Iniciativa de grupos conservadores, o «8» foi aprovado com 52,1 por cento dos votos a favor e 47,9 por cento contra, o que representa um sério revés para a comunidade homossexual, lançando na incerteza as 18.000 uniões do mesmo sexo concluídas em Califórnia estes últimos meses.

Para além da Califórnia, só o Massachusetts e, recentemente, o Connecticut tinham legalizado o casamento homossexual. Os outros 47 Estados americanos proíbem-no.

«Não há nada na linguagem da proposta 8 que diga que é retroactiva, então o nosso casamento continua a ser válido. Mas estamos inquietos pelos jovens», afirmou a uma cadeia da televisão local o actor da série «Star Trek», George Takei, que casou com o seu parceiro Brad Altman em Setembro.

No Arizona, a proibição dos casamentos homossexuais foi adoptada por 56 por cento dos votos a favor e 44 por cento contra e na Florida o resultado foi ainda mais claro, com 62 por cento a favor e 38 por cento contra.

Proibida adopção por casais não casados

Entretanto, no Arkansas, os eleitores decidiram impedir a adopção de crianças por casais não casados, homossexuais ou não.

«Estamos desiludidos e tristes com os resultados no Arkansas, Arizona e Florida onde vimos passar leis que visam ferir casais e famílias que se amam», declarou quarta-feira em comunicado Neil Giuliano, presidente da organização de defesa dos direitos dos homossexuais GLAAD.

Para Jennie Drage-Bower, analista política para a Conferência Nacional dos Eleitos dos Estados, a rejeição californiana «não é realmente uma surpresa, porque desde 1998 nos cerca de trinta de Estados que se pronunciaram contra o casamento homossexual, apenas um rejeitou a proibição».

Segundo a mesma fonte, a candidatura de Barack Obama favoreceu mesmo a proibição do casamento homossexual, já que, de acordo com as sondagens, os eleitores negros são tendencialmente contra este tipo de união. «A sua candidatura aumentou a participação dos Afro-Americanos que votaram neste sentido», explicou.

Discriminação, eutanásia, aborto e marijuana para uso medicinal

Os referendos locais colocaram ainda outra pergunta sensível, caso da discriminação positiva em prol das minorias.

Cinco Estados propunham desfazer-se de tais medidas, Arizona, Colorado, Missouri, Nebraska e Oklahoma.

A rejeição da discriminação positiva foi aprovada no Nebraska por 58 por cento dos votos a favor e 42 por cento contra, enquanto no Colorado, os resultados definitivos, muito próximos, ainda não são conhecidos mas apontam para uma rejeição.

Até agora, Califórnia, Estado de Washington, Michigan e o Nebraska baniram a discriminação positiva.

Entre as propostas liberais, o Michigan tornou legal o uso medicinal da marijuana e o Estado de Washington permitiu o suicídio assistido dos pacientes em fase terminal.

Limites ao aborto foram também submetidos, em vão, a votação.
 

 

in: http://diario.iol.pt/internacional/obama-especial-eua-especial-eleicoes-gay-casamento-adopcao/1010184-4073.html


comentar
publicado por Riacho, em 02.11.08 às 16:11link do post | favorito

 

Viena, 2 nov (EFE).- A Associação Internacional de Gays e Lésbicas (Ilga, em inglês) realiza entre amanhã e quinta-feira em Viena seu 24ª congresso mundial.
 

Cerca de 200 ativistas homossexuais, transexuais e bissexuais de mais de 80 países se reunirão na capital austríaca para analisar o estado de sua luta contra a discriminação e a favor da igualdade de direitos.

Mais da metade dos participantes da conferência procede da Ásia, da África, da América Latina, do Caribe e do Leste Europeu, regiões onde a situação dos homossexuais é especialmente complicada.

"Os ativistas usam a Ilga como uma plataforma para trocarem e fortalecerem suas campanhas contra a discriminação e para conseguir igualdade", destacou em um comunicado Rosanna Flamer-Caldera, co-secretária-geral da Ilga.

Esta ativista do Sri Lanka lembra que, em 86 países, as relações consentidas entre pessoas do mesmo sexo continuam sendo crime.

"Deixar de criminalizar é muito importante em países como o meu para que nossos irmãos e irmãs possam viver livremente e em dignidade como cidadãos de pleno direito", ressalta Flamer-Caldera na nota.

A Ilga colabora estreitamente com uma coalizão de ONGs, como a Anistia Internacional, a Arc International, a Global Rights, a Human Rights Watch e a Comissão Internacional de Direitos Humanos para Gays e Lésbicas (IGLHRC, em inglês), para assegurar que a questão da orientação sexual seja mantida na agenda da ONU.

Segundo a Ilga, outro grande desafio é ajudar os ativistas na África, Ásia e América Latina a se organizarem em nível regional.

Para esse fim, a Ilga organizou nos últimos 18 meses três conferências regionais, uma para a África, uma para a Ásia e outra para a América Latina.

No entanto, a desigualdade de direitos não persiste apenas entre os países desenvolvidos e países emergentes ou subdesenvolvidos.

Também dentro da Europa há grandes diferenças quanto aos direitos dos homossexuais.

Segundo a Iniciativa Homossexual (Hosi), da Áustria e co-organizadora da conferência de Viena, o casamento homossexual existe só na Espanha, Bélgica e Holanda.

A união civil com quase os mesmos direitos que o casamento entre homem e mulher acontece na Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega, Suécia, Suíça e Reino Unido.

O reconhecimento da união civil com menos direitos existe em Andorra, Alemanha, França, Luxemburgo, Portugal, Eslovênia e República Tcheca.

Nos outros países europeus, inclusive na Áustria, os casais com pessoas do mesmo sexo ainda lutam para conseguir certa igualdade em relação aos casais convencionais.

Fonte: EFE (Via Yahoo!Notícias)
 


mais sobre nós
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
19
20
22

23
24
25
26
27
28
29



pesquisar
 
Website counter
blogs SAPO
subscrever feeds