ESPAÇO DE ENCONTRO E REFLEXÃO ENTRE CRISTÃOS HOMOSSEXUAIS em blog desde 03-06-2007
comentar
publicado por Riacho, em 30.08.08 às 22:54link do post | favorito

 

 Bom fim de semana em família.

 

Abraço

 

Carlos


comentar
publicado por Riacho, em 22.08.08 às 21:39link do post | favorito

 

 

Boa noite

 

Aqui fica uma bonita história.

 

Abreijos

 

Carlos

 

 

 

 

 


comentar
publicado por Riacho, em 09.08.08 às 02:39link do post | favorito

Por Luís Corrêa Lima

Jesuíta, historiador e professor


Adital -
Novos ventos estão soprando na Igreja Católica. É bastante conhecida a tradicional oposição da hierarquia eclesiástica ao casamento gay, bem como às relações homoeróticas. No entanto, aconteceu um fato surpreendente: o novo presidente da Conferência dos Bispos da Alemanha, Robert Zollitsch, declarou-se a favor da união civil dos homossexuais. Em entrevista à revista Der Spiegel (18/02/2008), ele afirmou que se trata de uma questão da própria realidade social: se há pessoas com esta orientação, o Estado deve adotar uma legislação correspondente. Todavia, Zollitsch considera um erro a idéia de ‘matrimônio homossexual’, devido à sua própria concepção matrimônio, essencialmente heterossexual.

À primeira vista, esta aprovação da união civil soa como uma divergência radical em relação ao papa. Afinal, a imagem de Bento 16 freqüentemente é associada a conservadorismo ou intransigência. Mas as coisas não são bem assim. De fato, o papa defende com veemência o termo ‘matrimônio’ reservado à união heterossexual. Para ele, a verdade do matrimônio implica a realidade sexualmente diferenciada do homem e da mulher, com as suas exigências de complementaridade.  O matrimônio tem também um forte sentido simbólico. Ele representa o vínculo sagrado que existe entre Cristo e a Igreja.

Quanto à união civil homoafetiva, o tom de Bento 16 é diferente. Ele tratou do assunto em um discurso a autoridades italianas no início do ano passado. O papa ressaltava a importância de se ajudar materialmente as novas gerações a constituírem família e a terem filhos, enfrentando o sério problema da natalidade muito baixa na Itália. Neste contexto, referiu-se indiretamente ao reconhecimento jurídico das uniões gays. Tal reconhecimento enfraqueceria e desestabilizaria a família fundada no matrimônio. Por isso, ele ‘parece perigoso e contraproducente’.

Convém analisar os termos usados: ‘parece' não quer dizer necessariamente que seja; ‘perigoso' não significa abominável nem inadmissível. O fogo é perigoso. Pode produzir incêndio e morte. Mas com o devido cuidado, pode ser usado na cozinha de uma residência. Portanto, os termos do papa não são taxativos e nem encerram o debate.

Bem diferente foi o pronunciamento da Congregação para a Doutrina da Fé em 2003, assinado pelo então cardeal Ratzinger. A linguagem é bem dura: as uniões homossexuais são ‘nocivas' à sociedade, e deve haver oposição clara e incisiva ao seu reconhecimento legal, sobretudo dos políticos católicos. Isto era bem de acordo com o pensamento de João Paulo 2º, a quem a Congregação obedecia. Wojtyla considerava a legalização daquelas uniões uma grave de violação da lei de Deus e uma manifestação da astuciosa ‘ideologia do mal'.

Com isto se vê que há na Igreja uma diversidade de posições sobre o tema. E isto é compreensível. Afinal, a Igreja está alicerçada na milenar tradição judaico-cristã e, ao mesmo tempo, espalhada pelo mundo e vivendo na cultura moderna. No judaísmo antigo, acreditava-se que o homem e a mulher foram criados um para o outro, para se unirem e procriarem. O homoerotismo era considerado uma abominação. Israel deveria se distinguir das outras nações de várias maneiras, inclusive pela proibição do homoerotismo. A Igreja herdou esta visão antropológica com sua interdição. No século 19, porém, surgiu o conceito de ‘homossexualidade’, que permite pensar esta realidade de outra maneira. A atração pelo mesmo sexo pode ser entendida como um dado da natureza. No entanto, até o final do século 20 a homossexualidade era considerada pela medicina uma doença, que muitos acreditavam ter cura.

Hoje há uma nova compreensão das coisas: a humanidade não é totalmente heterossexual, e a sociedade deve aprender a conviver e a lidar com as diferenças. A Igreja de certo modo acompanha a sociedade. João Paulo 2º tinha uma posição tradicional de forte rejeição. Bento 16, não mais sob as ordens de seu antecessor, faz restrições moderadas. Até porque o discurso papal tem uma repercussão mundial, em lugares e contextos muito diferentes. Por isso, ele tende a ser cauteloso na mudança de rumos.

Já o bispo alemão Zollitsch, diante da realidade seu país, não vê as uniões homoafetivas como uma ameaça à família e aprova o seu reconhecimento civil. Um presidente de uma conferência nacional de bispos não faria uma declaração dessas sem o respaldo interno dos outros bispos, e sem um amplo consenso da Igreja local. Assim se dão as mudanças na Igreja ao longo da história.

No Brasil, desde 1995 há um projeto de lei de união civil, da então deputada Marta Suplicy. Ele prevê que os termos ‘matrimônio' e ‘casamento' fiquem reservados às uniões heterossexuais, em razão de suas implicações ideológicas e religiosas. Para as uniões gays, usa-se ‘parceria' e ‘união civil'. São propostas bastante de acordo com o bispo do país do papa.

 

in: http://www.adital.org.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=32137


 

comentar
publicado por Riacho, em 07.08.08 às 01:18link do post | favorito

Abstract:

This study examines the ways in which legally recognized same-sex marriage affects the understanding of same-sex romantic relationships for lesbian, gay, bisexual and transgendered (LGBT) individuals. Participants (N = 288) responded to an open-ended Web-based survey asking them to describe how legally recognized same-sex marriage influenced their view of their own romantic relationship or romantic relationships in general. Results indicate that legally recognized same-sex marriage impacted participants' understanding of romantic relationships by making existing relationships seem more real and by serving as a tool through which participants realized their desires for ideal potential partner and relationship characteristics. The results suggest that legally recognized same-sex marriage is seen as both beneficial and challenging for samesex couples

 


mais sobre nós
Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29

31


pesquisar
 
Website counter
blogs SAPO
subscrever feeds